Trabalhador não qualificado.  Este grupo inclui profissionais que emitem e recebem bilhetes de estacionamento ou admissão,
recolhem e fornecem artigos pessoais a clientes nos vestuários e auxiliam a entidade patronal em eventos de entretenimento (ILO, 2018)

Probabilidade de risco baseado no estudo seminal de Frey e Osborne

Características do Grupo Profissional e ocupações similares

Outros trabalhadores não qualificados

Outros trabalhadores não qualificados entregam e transportam mensagens e encomendas; executam uma variedade de tarefas simples de manutenção e reparação; coletam dinheiro e abastecem máquinas de venda automática; leem medidores; coletam água e lenha; recolhem e emitem bilhetes de estacionamento ou de eventos (ILO, 2018).

  • Assistentes de estacionamento
  • Manobristas
  • Bengaleiros
  • Cobrador de ingressos
  • Arrumadores de salas de espetáculo
  • Estafetas, distribuidores de encomendas e bagageiros
  • Trabalhadores não qualificados polivalentes
  • Leitores de contadores e coletores de dinheiro em máquinas de venda automática
  • Coletores de água e lenha
  • Outros trabalhadores não qualificados

Informações básicas

Sensores inteligentes que facilitam a sinalização de lugares vazios ou ocupados em parques de estacionamento são já uma realidade. Estacionamentos em áreas comerciais e aeroportos são exemplos de locais que já fazem uso desta tecnologia para melhorar a qualidade dos serviços prestados quer ao nível dos tempos de espera, quer ao nível dos custos do estacionamento. Estes sensores sinalizam os lugares vazios, em áreas cobertas ou descobertas, e permitem informar o condutor do estacionamento livre que lhe é mais próximo. Além destes sensores, os parques de estacionamento utilizam, geralmente, máquinas de pagamento automático que não requerem interação com os funcionários.

Mais recentemente, sistemas avançados em carros autónomos estabelecem comunicação com os sensores nas infraestruturas de estacionamento, permitindo que os veículos entrem em garagens e parques sem a necessidade de intervenção humana. Um exemplo desta tecnologia é o sistema de estacionamento autónomo no museu Mercedes-Benz em Estugarda, Alemanha. Os carros tradicionais estão também a ser equipados com recursos de estacionamento automático.

No Japão, parques totalmente automatizados com robôs que conduzem os carros ao seu local de estacionamento são uma realidade emergente.

Exemplos de caso

Stan, um robô produzido pela Stanley Robotics, tem a capacidade de estacionar e trancar os veículos estacionados. Mais tarde, o robô pode ser novamente chamado para devolver o carro ao seu proprietário. Esta tecnologia está disponível no Aeroporto Charles de Gaulle, em Paris (Stanley-robotics, 2018).

No Japão existem estacionamentos subterrâneos nos quais robôs estacionam os veículos em apenas segundos. Desenvolvidos pela Giken Ltd e apelidados de Eco Park, são unidades de armazenamento de veículos totalmente automatizados. O parque cobre apenas uma área de 20m x 20m e utiliza um elevador giratório para transportar e armazenar os carros automaticamente. O carregamento e descarregamento dos carros é controlado por um computador. Os utilizadores deste serviço têm acesso a cartão magnético que lhe confere acesso a uma cabine de carga, na qual devem apenas seguir uma série de instruções. De acordo com a Giken, os custos de construção e operacionais são bastante reduzidos uma vez que é utilizado muito pouco trabalho humano  (GIKEN LTD. , 2018).